Espinho na carne

Essa semana estive meditando a respeito de uma das passagens bíblicas que mais me chamam a atenção. Em 2 Corintios, o apóstolo Paulo escreve a respeito de um mensageiro de Satanás que estava presente em sua vida. Isso, a primeira vista, nos causa no mínimo estranheza, não é mesmo? Um homem como Paulo, convertido, chamado por Deus, designado, predestinado, cheio da presença de Deus, ter também a presença de um mensageiro de Satanás atormentando-o, incomodando-o? É isso mesmo. E meditando com mais profundidade na palavra, percebemos que o mensageiro de Satanás foi enviado por Deus. O quê, por Deus? Por Deus, com a sua autorização, carimbo e assinatura. Paulo insistiu que o Pai tirasse esse espinho da sua carne (por três vezes!!), mas Deus não se importou com o quanto aquele espinho era ruim na vida de Paulo, ele se importou que Paulo entendesse, conhecesse mais a graça, a misericórdia Dele através disso.

Naquele momento, quando Deus disse - a minha graça te basta - Paulo entendeu o amor do Senhor pela vida dele. Esse espinho tinha alguns objetivos claros na vida do apóstolo:
- Ensinar a Paulo que Deus nos ama tanto, que ele cuida para que não caiamos na soberba, na vaidade. Ele nos lembra a todo momento que dependemos da graça, da misericórdia Dele.
- Que Paulo entedesse que, apesar de ser um mensageiro do Diabo, ele estava ali sob a autorização, sob a permissão de Deus. Apesar de caído e rebelde, todo o trabalho de Satanás é sempre com a permissão do Pai. Paulo aprendeu ali sobre a soberania de Deus.
- Deus não queria que Paulo focasse as suas dificuldades, as suas tormentas, os obstáculos. Mas o Senhor estava ensinando que Paulo deveria olhar para a Sua graça, para a Sua misericórdia.

Depois de meditar nessa palavra, uma pergunta tem me acompanhado: "Até que ponto devemos pedir a Deus para que ele tire as tribulações da minha vida?" A bíblia diz que devemos nos gloriar nas tribulações (Rm 5:3). Paulo, no mesmo texto do espinho, diz que "sinto prazer nas injúrias, nas necessidades, nas angústias porque o Seu poder se aperfeiçoa na minha fraqueza". Tiago, em sua epístola, diz que Deus resiste ao soberbo e dá graça aos humildes. O próprio Jesus nos orienta - no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, pois eu venci o mundo. Tenho aprendido que as tribulações é uma didática extremamente eficaz da parte de Deus para nos moldar segundo a Sua vontade. No texto de romanos, citado a cima, ele descreve esse processo didático (abra a palavra e medite).

A minha conclusão é que as tribulações não são sinais de derrota, pois somos mais que vencedores em Cristo Jesus (amém?). É uma oportunidade para sermos lapidados, purificados, mesmo que isso doa (afinal o processo de lapidação é feito através do atrito e a purificação do ouro é feita pelo fogo), mas sabemos que ao final desse processo sairemos mais parecidos com Deus. E é isso que Ele quer, pode ter certeza. Concluí também que as tribulações, as nossas fraquezas e até nossos erros, nos colocam no lugar correto. Deixam claro para nós (apesar de muitas vezes não querermos assumir) que não valemos nada e que não prestamos para nada. A não ser quando entendemos a graça e a misericórdia de Deus nas nossas vidas.

É isso aí meu irmão. Antes de pedir a Deus que Ele tire as suas tribulações, peça a Ele que, através delas, você entenda a graça de Deus e a Sua misericórdia.

Grande abraço e que Deus te abençoe!!
Júnior

Categories:

10 Responses so far.

  1. Melina says:

    Não imaginava que a tribulação pudesse ser uma benção...Deus realmente faz coisas inesplicáveis.
    Aqui ficou bem claro!
    Amor continue usando esse dom de escrever que Deus te deu.
    Você é uma benção!
    Te amo!

  2. Essa palavra foi muito boa pra mim Junao! Lido e recebido!

    Um grande abraco,

    Pedro.

  3. Anônimo says:

    Prezado Irmão, lendo este texto o qual foi colocado pelo irmão. Me senti a vontade de expressar aquilo que já a mim foi revelado.
    Paulo ele expressa com claresa o seguinte: Para que não me esnsoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne,
    (Aqui Paulo deixa claro o motivo pelo qual foi lhe dado o espinho na carne)
    Mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte.(Aqui ele diz o que era o espinho na carne)

    Qual de nós divemos uma grande revelação para que o Deus Pai nos permitisse um espinho na carne.

    No mencionar tribulações, vejo que Jesus deixou um recado para nós: No mundo tereis aflições. Mas ele também falou, tendes bom animo.
    As trubulações viram, mas maior é o que está mim, do que todas as tribulações. Venceremos todas elas no nome que tem poder. Jesus

  4. Anônimo says:

    O comentário acima saiu anonimo, porque não consegui
    envialo de outra maneira.
    Mais vai o meu nome.
    Sueli Fernandes- São Gonçalo
    Rio de Janeiro

  5. Hernandes says:

    Realmente este texto é um tanto o quanto interessante, parabens pelas suas explicações.
    Estou preparando uma pregação e ele me auxiliou.
    Que DEUS possa continuar te usando para abençoar vidas.

  6. Anônimo says:

    Não tenho nenhuma formação teológica, e nem um título acadêmico. Contudo sou um leitor da bíblia ha alguns anos. Um curioso assumido. Eu acho e assumo inteira responsabilidade por isso, que o espinho na carne de paulo era: algo que o invergonhava e diminuia o seu ego e sua auto estima. Por tanto não podia ser a deficiência de sua visão. Quando ele começava a se exaltar por causa da exelência das revelações, era acometido de uma vontade muito forte de embriagar-se. Era mais forte do que suas forças e, ele se embriagava e ficava rídiculo como todo bêbado.quer coisa pior do que isso para um servo de Deus, daquele quilate? Mesmo assim foi recebido respeitosamente e carnhosamente pelos gálatas, pois sabiam quem era o Deus de Paulo.

  7. Josenildo says:

    Essa sua mensagem foi perfeita. não sei se pelo momento que estou passando, onde tudo se parece, mas acredito muito em cada palavra dessa que foi dita.
    que Deus te ilumine.
    amem

  8. Anônimo says:

    Também já entendí que o espinho na carne do apostolo Paulo era um mensageiro de satanas
    (um demonio) que o esbofeteava (o maltratava, o torturava de alguma maneira, ou talvez de varias formas), mas entendo que Deus o permitiu com a finalidade que Paulo compreende-se o modo de agir dos espiritos maus ( do diabo)e assim ele pode deixar escrito todos os conselhos que encontramos nos livros escritos por ele. Assim é Deus. como diz o ditado popular Deus escreve certo até por linhas tortas. Ele é DEUS e sabe o que faz.

  9. Anônimo says:

    Muito se tem falado acerca da origem da enfermidade do apóstolo Paulo.Entre as cauas referidas nos textos neotestamentário, parece-nos a mais provavel causa - a doença chamada "eplepsia". Algumas traduções da epístola aos Gálatas 4:14 traz um comentário de rodapé-com a seguinte versão: "Quando fui ter convosco me trataste com ternu-ra, não me cuspistes no rosto" Cus-pir no rosto,éra o remédio para quem estava com um ataque de epilepsia ( termo grego que quer dizer: alguem em quem se cospe no rosto).Portanto,supunha-se ser um ataque demoníaco. É que `aquela época, cospia-se no rosto para afujentar os demónios nos pacien-tes acometidos com eplepsia. Paulo,por certo,era um epilético.E o que pensa com justa razão o au-tor da Coleção "Teologia do Novo Testamento" (Editora LOYOLA) - o eminente teólogo católico Karl Hermann Schellkle.

  10. Paulo Suzano says:

    Ficou claro: se o grande Paulo, um dos pilares do Cristianismo tinha um "espinho na carne", um defeito, uma falta que o atormentava profundamente, o que dizer de nos, tão fracos. Na longa peleja da vida, caindo e levantando, buscando uma trajetoria que engrandeça o Senhor, por mas longe que cheguemos, não nos esqueçamos que sem Deus a nos guiar e dar força, sempre, não chegaremos a lugar algun. Abraço fraterno.
    Paulo Suzano.